Infraestrutura de tratamento de esgoto sanitário está sendo ampliada em Lages

O 3º Módulo da ETE-Caça e Tiro ficará pronto brevemente, elevando significativamente a capacidade de tratamento do esgoto sanitário da cidade

A cidade de Lages está próximo de atingir o percentual em torno de 70% de capacidade de tratamento do esgotamento sanitário. Este patamar será atingido, provavelmente, já em 2022, após a conclusão da implantação de emissário (rede central de coleta de esgoto) ao longo dos cerca de seis quilômetros de extensão da avenida Ponte Grande. Avenida projetada à margem do rio Ponte Grande, interligando as regiões dos bairros Várzea-Caça Tiro às regiões dos bairros Guarujá-Gethal.   

Para isso, além do emissário, já implantado em 4.100 metros da avenida, precisou ser construído o 3º Módulo da Estação de Tratamento de Esgoto, localizada no bairro Caça e Tiro. O emissário já se estende com tubulação que varia de 700 a 600 milímetros de diâmetro - desde a ETE-Caça e Tiro até o bairro Santa Maria (junto à via marginal da BR-282). Sequencialmente essa rede central de coleta de esgoto será estendida por mais ou menos 1,5 quilômetro, até proximidades da linha ferroviária, entre os bairros Gethal e Guarujá.

"As obras de saneamento da avenida Ponte Grande compreendem a implantação do emissário, de seis estações elevatórias (cinco já estão prontas), e mais o 3º Módulo da ETE-Caça e Tiro. Até o final deste ano, é bem provável que o emissário e a 6ª elevatória estejam concluídos. Já o 3º Módulo estará pronto dentro de mais ou menos 30 dias", diz o engenheiro Jéverton Moraes, responsável pela STC Engenharia, empresa que executa este conjunto de obras de saneamento licitadas pela Prefeitura de Lages. 

Segundo explica o engenheiro da STC, o emissário da Ponte Grande já está em operação de coleta de esgoto no trecho compreendido desde a ETE-Caça e Tiro até a rua Café Filho, no bairro Popular. "O esgoto coletado ao longo desta linha do emissário está sendo tratado nos módulos I e II da ETE-Caça e Tiro", relata Jéverton.

"Será um avanço significativo para a população de Lages, a conclusão deste conjunto de obras. O maior ganho com as obras de saneamento se reverte em bem-estar e mais saúde para a população. Sabe-se que de cada R$ 1,00 investido em saneamento básico são economizados R$ 4,00 reais em saúde pública", salienta o prefeito Antonio Ceron.

Complexo Araucária

O percentual de 70% de capacidade tratamento de esgoto sanitário da cidade de Lages englobará as infraestruturas das ETEs Caça e Tiro e Araucária, a qual faz parte do Complexo Araucária.

O Complexo Araucária, sistema de coleta e tratamento de esgoto sanitário, contempla, atualmente, cerca de cinco mil famílias residentes em oito bairros de Lages e em dois loteamentos populares. Este conjunto de obras compreende 40 mil metros de rede coletora, cinco elevatórias e uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE-Araucária). Os serviços operacionais e de manutenção da ETE-Araucária são feitos por equipe da empresa (terceirizada) Águas do Planalto. 

 "A Semasa já alertou os moradores, por meio de mensagens impressas na tarifa de energia elétrica, sobre a necessidade de as famílias fazerem as ligações domiciliares à rede coletora de esgoto. Famílias de baixa renda residentes nos bairros Santa Catarina, Santa Clara e Novo Milênio já foram beneficiadas com as ligações (sem custos) feitas por equipe técnica da Semasa", explica o secretário municipal de Águas e Saneamento, Jurandi Agustini.

Ao todo oito bairros e dois loteamentos populares estão interligados ao Complexo Araucária. São os bairros Santa Catarina, Santa Clara, Promorar, Centenário, Santo Antônio, Araucária, São Luiz e Morro Grande, mais os loteamentos Preá e Novo Milênio.

Texto: Iran Rosa de Moraes

Fotos: Ary Barbosa

Imagens

Logo_Branco_Sem_Fundo.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | O Momento